sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Pano em crochet ... antigo!

Rendas com mais de quarenta anos...
...resolvi retirá-las da arca e das gavetas
 e voltar a usá-las na nossa casa da aldeia...

para cobrir as velas 
que iluminam o nosso cantinho religioso:




 


Velas



E no escuro , a palidez é derretida pela chama
É cera branca que se desfaz em prantos
Como o coração despedaçado daquele que ama
Lágrimas sorrateiras que derramam-se pelos cantos.


Da face alva de alguém que um dia jovem fora
E pelos campos sonhou correr e desatar-se do mundo
Para ao longe se perder em amores além da aurora
Desilusão encarnada de um sonhador moribundo.


É a vela , única cúmplice de todos os secretos martírios.
Branca como o rosto abatido, ouvidora dos tortuosos lamentos
Zela pela alma , compartilha a dor, acalenta os mais febris delírios.

De um atormentado amante sobrevivente que vagamente espera
Um amor que há muito tornou-se anjo e partiu com os nórdicos ventos
Quantas serão as velas acesas por cada um que grande amor perdera?


Luciana Cascardo
  08/04/2011
Li na net e gostei!!!

2 comentários: